30 de out de 2015

Livro #35: Caixa de Pássaros de Josh Malerman*

1acaixaImagine viver na escuridão e não poder ver ou sentir o sol na pele sem sentir medo de algo que você desconhece e que a simples visão deste “algo” pode lhe causar a sua morte e de todos que vocês amam?
Este é a premissa do livro de Josh Malerman, Caixa de Pássaros, um livro repleto de terror psicológico onde o medo do desconhecido, daquilo que não podemos ver é a única forma de se manter vivo.
A tensão domina a leitura do início ao fim, trazendo um clima tenso onde cada ruído, cada movimento externo representa a morte eminente.
Caixa de Pássaros é narrada em terceira pessoa, apresentando Malorie uma jovem que a pouco deixou o interior para viver em uma cidade grande, e que após um descuido acabou gravida.
O livro é dividido em dois tempos, presente, após o surgimento do que eles chamam de “o problema” e a quatro anos atrás, quando os primeiros surtos tiveram início, é essa divisão temporal que surge a cada capitulo, os quais são alternados.
Embora seja previsível o final, as alternâncias de tempo dão ritmo a leitura, e nos apresenta um panorama maior a respeito do que aconteceu com o mundo.
O referido problema surgiu como a maioria dos grandes casos que assolaram a nossa humanidade, como as guerras propagadas pelos Estados Unidos ou as pandemias de gripe aviaria e suína, foram rumores, casos isolados, reportagens de TV, postagens em blogues da internet, até que tudo começou a convergir em direção da protagonista.
No início Malorie duvida dos rumores, não acredita que exista algo invisível que após ser visto transforma pessoas normais em loucos, sádicos e assassinos. Porém, quando percebe que o mundo começa a sofrer com o tal surto ela se isola em sua casa, tendo como companhia apenas a irmã e a criança que espera.
Ninguém sabe o que são as criaturas, não sabem se são boas ou más, ou se nossa mente que é primitiva demais para compreender o que são, o que se sabe, é que quem as viu morreu.
Os que conseguiram resistir à tentação de olhar, cobririam suas janelas, impediram que o sol entrasse, estocaram comida, se armaram, e foi um grupo assim que Malorie encontrou antes de ter seu filho.
Quando Malorie parte em busca do último abrigo que se tem notícia, a única forma de se proteger é vendar os olhos e viver no escuro, ela sabe que um simples vislumbre da criatura pode matá-la.
Quatro anos após o início da epidemia, Malorie é mãe de duas crianças, Garoto e Menina, embora com quatro anos, as crianças foram treinadas pela mãe a se orientar no escuro, a apurar os ouvidos e a serem sua tabua de salvação. 
 

” Não importa quais ferramentas leve, não importa qual objeto da casa seja usado como arma, ela sabe que as vendas são a maior proteção para ela e os filhos.”

Sobre o enredo proposto por Josh não há o que reclamar, ele soube criar uma história sem furos, e sem precedentes, embora você termine a leitura sem ter algumas respostas, eu compreendi o que ele pretendia com a trama, ele queria que nos sentíssemos como seus personagens, no escuro, sem realmente saber ou compreender o que seriam as temíveis criaturas que deram fim a raça humana.
Outro ponto positivo para a trama foi a forma que encontrou para nomear os filhos de Malorie, ao deixar de lhes dar nomes, Josh grita ao público, não se apeguem, neste novo mundo, qualquer um pode ser o próximo. E quando finalmente permitiu a Malorie batizar os filhos, foi a prova definitiva de que eles estavam seguros. Ops, spoiler!
De forma geral a narrativa é perspicaz apresentando apenas informações que nos situam no tempo narrado e nos informa aos poucos o que precisamos saber.
E vamos combinar, é quase impossível não ter medo após ler esta história, uma coisa é ler sobre um apocalipse zumbi como em The Walking Dead de Robert Kirkman, ou um apocalipse com monstros caninos como em A Outra Vida de Susanne Winnacker, ou mesmo apocalipses causados por guerras nucleares como uma e outra distopia famosa, agora imaginar o mundo acabando por meio de criaturas invisíveis e desconhecidas, que podem te deixar louco, é insano.
Você pode lutar contra zumbis, lobisomens, se esconder em abrigos antirradiação, fugir de governos tiranos, mas isso porque você sabe e vê com o que está lutando.
Caixa de Pássaros foi o melhor thriller que li nos últimos tempos, e embora não tenha tanto sustos e sangue como imaginava, o livro causou muito mais medo de que outras histórias do gênero.
Sobre a parte física do livro, bom a Intrínseca caprichou na escolha da capa, revisão e diagramação, até mesmo a escolha do papel e dos espaçamentos te proporcionam uma boa leitura.
Em geral eu atribuo uma nota cinco de cinco e recomendo a todos que gostarem de um pouco de suspense acompanhado de uma boa dose de histeria coletiva e medo de escuro.

5[3]

 Dados do Livro
Titulo: Caixa de Pássaros

Subtitulo: Não Abra os Olhos


Preço de Capa: R$ 17,90 até R$ 29,90
ISBN-13: 9788580576528
ISBN-10: 8580576520
Ano: 2015 / Páginas: 272
Idioma: português
Editora:
Intrínseca

Nota no Skoob: 4.2
Sinopse:  Romance de estreia de Josh Malerman, Caixa de pássaros é um thriller psicológico tenso e aterrorizante, que explora a essência do medo. Uma história que vai deixar o leitor completamente sem fôlego mesmo depois de terminar de ler.
Basta uma olhadela para desencadear um impulso violento e incontrolável que acabará em suicídio. Ninguém é imune e ninguém sabe o que provoca essa reação nas pessoas. Cinco anos depois do surto ter começado, restaram poucos sobreviventes, entre eles Malorie e dois filhos pequenos. Ela sonha em fugir para um local onde a família possa ficar em segurança, mas a viagem que tem pela frente é assustadora: uma decisão errada e eles morrerão.


Dados do Autor
Gêneros: Ficção, Thriller, Suspense
Bibliografia: Josh Malerman é um autor americano e o vocalista da banda de rock The High Strung. Atualmente vive em Ferndale, Michigan. Malerman primeiro começou a escrever enquanto na quinta série, onde ele começou a escrever sobre um cão que viaja no espaço. Desde então, ele já escreveu vários romances inéditos e seu romance de estréia Box Pássaro foi publicado no Reino Unido e nos Estados Unidos em 2014 para muito aclamado pela crítica.
Uma de suas músicas é tema de abertura da série renomada do canal Showtime: Shameless, estrelada por William H. Macy. Caso se interesse clique aqui e assita ao clipe de abertura da série.
Nota no Skoob: 4.9

12079087_10204093765339116_8609050280195741808_n


* Esta resenha faz parte do Clube do Livro organizado pelo Blog Estante da Rob.
http---signatures.mylivesignature.com-54492-348-8CDC41FCD38DF5750D599C05656C608C[3]

4 comentários:

  1. Não conhecia o livro, mas pela postagem eu acho que leria :)
    Obrigada por comentar no meu blog!

    http://colorful-mushrooms.blogspot.com.br/

    Beijoos ;*

    ResponderExcluir
  2. Adorei a capa..! Este começo:Imagine viver na escuridão e não poder ver ou sentir o sol na pele sem sentir medo de algo que você desconhece e que a simples visão deste “algo” pode lhe causar a sua morte e de todos que vocês amam? Me deixou com uma super curiosidade misturada com medo kkk
    Lista de desejados ON ....Resenha ótima s2

    ResponderExcluir
  3. Adorei a capa..! Este começo:Imagine viver na escuridão e não poder ver ou sentir o sol na pele sem sentir medo de algo que você desconhece e que a simples visão deste “algo” pode lhe causar a sua morte e de todos que vocês amam? Me deixou com uma super curiosidade misturada com medo kkk
    Lista de desejados ON ....Resenha ótima s2

    ResponderExcluir
  4. Julielton, que resenha foi essa??? Estou totalmente arrepiada. Acabei de passar o livro para os primeiros lugares de minha enorme lista; não tinha nem como eu não fazer isso.
    Nossa, conforme ia lendo, estava me sentindo dentro da historia; espero que "Caixa de Passaros" vire filme o mais rápido que puder. As únicas pessoas desta historia que não teriam problema nenhum era o deficientes visuais, afinal eles já viviam naquela escuridão, entaõ creio eu que para eles fossem mais fácil (se essa parte foi abordada).

    Bjsss

    ResponderExcluir

Sua opinião é sempre importante, por isso espero seu comentário!
Critique, de sugestões, elogie, comente.

Julielton Souza