11 de nov de 2014

Músicas que dariam um bom livro ou filme: Jay Vaquer


Sabe aquela sua música preferida, que sempre que escuta, imagina sua adaptação em um livro/filme/série?


Depois do recente sucesso de Faroeste Caboclo – O Filme, inspirado na música escrita por Renato Russo, fica evidente que uma música bem escrita pode render uma grande história. Foi pensando nisso que resolvi trazer agora uma playlist de músicas com letras que dariam um bom roteiro tanto para um livro quanto para um filme.
Seria fácil citar aqui apenas músicas do grande cantor e compositor Renato Russo, a maioria de suas letras possuem uma bela narrativa, cita-se como exemplo: Eduardo e Monica; Dezesseis; Mauricio; Clarisse; Pais e Filhos e outras mais. Porém não busco apenas facilidade, quero entreter você leitor, quero também apresenta-lo a outras bandas e cantores, alguns não tão conhecidos como deveriam, e quero principalmente fazer algo novo.
Então atente-se a este texto e descubra os melhores enredos para uma boa aventura. Hoje nosso alvo é o meu cantor favorito e de longe o maior compositor moderno: Jay Vaquer.


Jay Vaquer

Fonte Internet
É um cantor e compositor brasileiro, carioca de nascimento e para mim um dos maiores poetas vivos em nosso país. Comparável a Renato Russo em muitos quesitos, Jay é um artista polivalente.
Exímio cantor e talentosíssimo compositor, iniciou sua carreira em 2000 e já passou por grandes gravadoras como EMI e Som Livre, teve videoclipes executados na MTV e recebeu indicações ao VMB da MTV (Vídeo Music Brasil), ao Prêmio Multishow em 2005 e ao Grammy Latino no ano de 2012.
Além de possuir músicas em trilhas-sonoras de novelas como Boys Don’t Cry – na novela Tempos Modernos da Rede Globo e Você não me Conhece – novela Amigas & Rivais do SBT.
Jay também atua no teatro, onde participou do musical Cazas de Cazuza, o qual foi responsável por lotar o Caneção e o Tom Brasil. Atualmente seu musical CINZA – Um musical original está em cartaz na Fundição Progresso no Rio de Janeiro e conta com Paulinho Serra e grande Elenco (19/11/2014 às 20:30).
Como seria impossível escolher apenas uma música desse artista completo, irei apresentar aqui cinco das minhas músicas favoritas, as quais dariam ótimos livros.

Cotidiano de Um Casal Feliz
Responsável pelo sucesso do cantor, a música com mais de três minutos de duração e que faz duras críticas a sociedade burguesa nasceu de uma crônica segundo o próprio Jay (embora não tenha conseguido encontra-la).
A música retrata bem a sociedade rica dos novos tempos, pessoas esnobes, excêntricas e completamente sem escrúpulos, exibe claramente o conceito do que pode ser chamado de casal blasé ou seja, um retrato fiel da indiferença dos ricos em relação a situação dos outros indivíduos que os cercam.
As críticas existentes na música ainda atacam assuntos pertinentes as colunas de fofocas sociais como a traição conjugal, baixos salários, regime de quase escravidão e adoção. Além de fazer alusão a pedofilia e o uso de drogas.

“E até pensa em adotar alguma criatura,
pode ser uma criança ou um labrador
Só depende da raça, depende é da cor
que pintar primeiro...
Ele faz como ninguém a cara de quem não sabe mentir
pode admitir, pra ocupar o vazio da relação
mas com uma condição:
não quer dar banho,
nem limpar merda o dia inteiro

É evidente na música como esse casal “rico” carece de outros preceitos e talvez até mesmo de uma repaginada cultural, inspirados por leituras populares, usam e abusam de seu status e dinheiro, frequentam shows simplesmente por serem ditos como “legais” e consomem bebidas caras, tudo para se encaixar no que é chamado de elementos da moda.
Como fã, consigo imaginar inúmeras formas de se adaptar essa música, seja para um livro ou para um filme. O próprio videoclipe exibe bem uma dessas formas.
Acompanhe abaixo o videoclipe e se desejar pode acessar a letra da música aqui



Pode Agradecer
Outra música que possui um enredo magnifico, que embora curto possui nuances que poderia sim se transformar em um best-seller, é Pode Agradecer.
Falando essencialmente sobre uma espécie de amor doentio e possessivo Jay canta horrores de um namorado ciumento que mantem ao seu lado uma namorada vítima do medo que após inúmeras agressões físicas, morais e psicologias teme atitudes mais drásticas caso haja um rompimento.

“Sufoquei, não deixei você sair sem mim
Vigiei só para garantir,
Infernizei, controlei cada segundo
Liguei só pra verificar

O rapaz tema dessa música usou de inúmeras artimanhas para manter sua namorada digamos na “coleira”. Entre as diversas medidas descabidas inclui: ameaças, chantagens e castigos ou seja a completa dominação da parceira, em dois versos ainda cita o desespero desse namorado em não ter participado do passado da amada e a impossibilidade de controlar seus pensamentos.
É evidente que tal tema provocasse repulsa em alguns leitores, mas um tema tão atual poderia sim render páginas e páginas de algo que beiraria ao estrelismo puro.
O videoclipe da música traz Jay no papel de Marshall Applewhite o líder da religião OVNI americana Heaven’s Gate (Entrada para o céu), o qual convenceu trinta e nove fieis a cometer suicídio em 1997 quando o cometa Hale-Bopp estava em seu ápice em relação a orbita da Terra.
Marshall anunciava o fins dos tempos, onde o suicídio era a única saída para a salvação da destruição total.
No clipe Jay mata todas as suas fieis, uma clara referência a música que possui como refrão “mais amei você... pode agradecer”, ou seja, Marshall acreditava que a morte de seus seguidores era forma de demonstrar que os amava, pois, isso garantiria a eles sua entrada no céu ao lado do profeta.
Acesse a letra da música aqui



Formidável Mundo Cão é de longe o meu CD preferido do cantor e como tal foi quase impossível escolher uma única música para abordar aqui, diante de tanta dificuldade consegui apontar duas músicas que praticamente já são uma história completa. Longe Aqui e Estrela de um Céu Nublado, para não esticar muito falarei pouco sobre cada uma.

Longe Aqui
Uma narrativa brilhante sobre relacionamentos homossexuais, Longe Aqui é a história de uma garota impedida pelos preceitos familiares de viver o amor que sentia, Jay trata aqui de forma sublime o fim do relacionamento entre duas garotas.
Devastada pela separação imposta a personagem central dessa música busca consolo na dor, chegando às vezes a infligir cortes em si mesma buscando a atenção e aceitação dos outros.
Não somente o relacionamento destruído é abordado na música, como também todas as singularidades inerentes a personagem como a carência afetiva, o desejo suicida, e a dificuldade de se adaptar as regras impostas as mulheres, como citado no refrão “Tinha que engravidar, criar, envelhecer, morrer... Como todos esperavam!”

“Ensaiou o que diria se um dia fosse artista homenageada no Faustão
Enxugaria as lágrimas, abraçaria amigos e a mãe teria o seu perdão
Voltando a realidade, ela encontrava um quadro que não tinha muita solução
Se achava velha, muito nova, gorda ou muito feia
Sempre inadequada pra situação...

De certa forma a música implica na difícil aceitação da sociedade em relação ao relacionamento homo afetivo o qual descreve tal ato como inadequado, errado e vergonhoso, infelizmente para muitos que escutam essa música a mensagem deixada não é ouvida claramente, porém já evidenciei pessoas que encontraram nela a reprise de suas vidas estranguladas pelos preceitos religiosos e anseios familiares.
Imagino tal música como um belo romance, que talvez pudesse ter um final mais adequado ao contexto, onde o amor superasse o preconceito.
É claro que como um leitor avido que sou, também poderia aceitar o final mórbido embutido na letra dessa música.
Acesse a letra completa aqui



  
 Estrela de um Céu Nublado
Uma canção bem atual e que remete ao sonho do estrelismo nacional. De uma forma única e estonteante Jay acompanhado da bela voz de Meg Stock vocalista da banda Luxúria narra a trajetória de um aspirante a ator que parte em direção ao Rio de Janeiro na tentativa de fazer carreira no famoso estúdio da Rede Globo, o Projac, aqui chamado de Projacland.
Sabiamente o cantor e compositor apresenta os dilemas enfrentados por muitos jovens atores na cidade maravilhosa em busca de sua chance de se tornar uma estrela da TV, passando por dificuldades financeiras, empregos estressantes, tapeações, romances por interesse, assédio sexual (o chamado teste do sofá), opressão e perseguição. Tudo isso em cinco maravilhosos minutos onde você acompanha a história de um jovem sonhador que tem suas aspirações e desejos esmagados pela indústria televisiva, vê a depressão e a tristeza que se apossa daqueles que não alcançam o estrelato e por fim, se depara com uma carta suicida.

“Na festa badalada, foi cantado pelo poderoso diretor
Que lhe ofereceu trabalho e amor
Lhe deu dicas de comportamento e recomendou
Saia logo do armário
Ele respondeu que não estava em nenhum armário, muito pelo contrário!!
Não tinha nada contra gays, só não era um
O coitado perdeu a vez
Depois de tal afirmação, foi excluído, rejeitado, difamado

Quantas histórias se ouve por ai sobre acontecimentos parecidos, atriz que bebe veneno, jovem ator que se envolve com drogas, modelos morrendo de bulimia, suicídios, assassinatos, a música de Jay mostra bem como é a realidade de alguns, que embora seja a minoria que chegue ao extremo, ainda existem.
Como uma boa história penso que essa música poderia render, não somente uma adaptação literária, mas também um filme e porque não uma série.
Mesmo sem um final feliz, é a pura realidade expressada em versos, e não há nada mais belo e feio que a realidade.
Confira a letra completa aqui



PS: Jay chama carinhosamente seus fãs de Mundiça, e eu tenho que afirmar aqui que sou mundiça com orgulho.
Para saber mais acesse a fanpage do cantor no Facebook e acompanhe as novidades, datas de show, e muito mais.


Bom gente é isso, espero que gostem da postagem e lembre-se seu comentário é o combustível para a movimentação do blog.
Termino essa postagem com a frase mais bela já dita por Jay em uma música, a prova ao amor rubro-negro.



0 comentários:

Postar um comentário

Sua opinião é sempre importante, por isso espero seu comentário!
Critique, de sugestões, elogie, comente.

Julielton Souza