18 de ago de 2014

Livro #04 - A Travessia - William P. Young

Dados do Livro



Nome: A Travessia
Autor: William P. Young
Editora: Arqueiro
Tradução de: Cross Roads
Tradutor (a): Fabiano Morais
ISBN: 978-85-8041-262-8
Edição: 1ª Ed. 2013
Estilo: Ficção Canadense Religiosa
Páginas: 240

Sinopse

Jesus pegou a mão de Tony.
– Na jornada que está prestes a começar, você poderá escolher curar fisicamente uma pessoa, mas só uma. Assim que escolhê-la, a sua jornada chegará ao fim.
– Posso curar uma pessoa? Está me dizendo que sou capaz de curar quem eu quiser? – Na mesma hora, seus pensamentos se voltaram para o seu próprio corpo em um quarto de UTI. – Deixe-me ver se entendi. Posso curar qualquer pessoa que quiser?
Jesus se inclinou na direção dele.
– Na verdade, você não pode curar ninguém, não sozinho. Mas estarei do seu lado, e a pessoa por quem você decidir orar, eu a curarei através de você.

Um derrame cerebral deixa Anthony Spencer, um multimilionário egocêntrico, em coma. Quando “acorda”, ele se vê em um mundo surreal habitado por um estranho, que descobre ser Jesus, e por uma idosa que é o Espírito Santo.
À sua frente se descortina uma paisagem que lhe revela toda a mágoa e a tristeza de sua vida terrena. Jamais poderia ter imaginado tamanho horror. Debatendo-se contra um sofrimento emocional insuportável, ele implora por uma segunda chance.
Sua prece é ouvida e ele é enviado de volta à Terra, onde viverá uma experiência de profunda comunhão com uma série de pessoas e terá a oportunidade de reexaminar a própria vida. Nessa jornada, precisará “enxergar” através dos olhos dos outros e conhecer suas visões de mundo, suas esperanças, seus medos e seus desafios.
Na busca de redenção, Tony deverá usar um poder que lhe foi concedido: o de curar uma pessoa. Será que ele terá coragem de fazer a escolha certa?

O Autor

William Paul Young nasceu em Alberta, em 11 de maio de 1955 é um escritor canadense, mais conhecido por sua obra A Cabana.
O mais velho de quatro filhos, Young passou grande parte da sua infância na Papua-Nova Guiné, junto com seus pais missionários, numa comunidade tribal. Os membros da tribo vieram a se tornar parte de sua família.
O fato de ser a única criança branca na comunidade e que sabia falar sua língua veio a garantir um incomum acesso à cultura e à comunidade local. Pagou seus estudos religiosos trabalhando com DJ, salva-vidas e em diversos outros empregos temporários. Formou-se em Religião em Oregon, nos Estados Unidos da América. A sua obra mais conhecida é "A Cabana" (The Shack).
Em 2012 publicou sua segunda obra "A Travessia" (Cross Roads).
Sofreu grandes perdas na infância e na adolescência, mas agora goza, juntamente com sua família, do que chama de um “esbanjamento de graça” na região noroeste dos Estados Unidos.


Dialética 

A Travessia é um livro que fala sobre fé, perdão, perdas, dor e principalmente sobre renovação. Pode parecer um livro que tenta pregar uma doutrina religiosa, mas distante disso é uma obra de ficção e que merece respeito.
Inicialmente a história nos apresenta Anthony Spencer ou Tony para os íntimos. Um homem marcado pela mão do destino, perdeu ainda cedo os pais e após passar por diversos orfanatos e lares adotivos acabou afastado do único parente vivo o irmão Jacob.
Mesmo com todos os percalços que encontrou Tony consegue prosperar na vida, forma uma riqueza exorbitante do nada e construiu o que todos diriam se tratar da vida perfeita. Mas, longe disso a vida que Tony levava era diferente da que demostrava para a sociedade, na verdade sua vida maquiada era apenas o que ele deixava os outros verem.

Embora as pessoas que se relacionavam com Tony em ambientes sociais ou profissionais pudessem pensar o contrário, ele não era um homem alegre. Era, sem dúvida, determinado, e estava sempre em busca da próxima oportunidade. – Pág. 10

Casado duas vezes com a mesma mulher e divorciado duas vezes também, teve dois filhos. Gabriel e Angela. O primeiro filho foi o presente que Deus havia lhe dado, a tão sonhada família reconstruída, o filho perfeito. Porém após acontecimentos que vão além da compreensão de Tony e principalmente além do alcance de sua riqueza e fortuna, Tony perde a única pessoa que julgou amar na vida, destroçado o homem caminha a passos lentos em direção a destruição completa.

Ele havia se casado duas vezes com a mesma mulher. A primeira união, quando ambos tinham apenas 20 e poucos anos, tinha gerado um casal de filhos. A filha, uma jovem revoltada, vivia do outro lado do país, perto da mãe. O garoto era outra história. O casamento terminara em divórcio por incompatibilidade de gênios, um exemplo clássico de indiferença e falta de atenção. Em poucos anos, Tony tinha conseguido deixar em frangalhos a autoestima de Loree. – Pág. 10

Avarento, odiado, paranoico, ridículo, são adjetivos que descreveriam facilmente o Senhor Anthony Spencer, após a fatídica perda, ações que o levaram ao como provocado por um tumor no cérebro, tudo parecia perdido, porém Deus reservava para Tony uma missão única.
Uma missão que inclui lutar contra a personificação de seus pecados, conversas com uma velha índia que gosta de ser chamada de Vovó e um Jesus que não teme lhe estapear o rosto, transportado para dentro do seu próprio coração Tony se vê lançado em uma corrida frenética em busca da redenção e quem sabe da salvação de seu coração e alma.
Porém Tony é uma pessoa descrente, que não confia nas pessoas e que decidiu que não havia ninguém no mundo que merecia seu respeito e atenção. Além de tudo o homem não acreditava em uma pós vida, acreditava apenas na morte, que aquilo era o fim e nada além disso.

Seu pai e sua mãe estavam no topo da lista. [...] O próximo nome da lista era Madre Teresa, seguido imediatamente por Mahatma Gandhi e Martin Luther King. Todos excepcionais, todos idealizados, todos muito humanos, vulneráveis, maravilhosos e, agora, mortos. [...] O último nome era o mais difícil e, ao mesmo tempo, o mais fácil: Jesus. – Pág. 17 – 18

Jesus oferece a Tony um presente que lhe parecia maravilhoso, a capacidade de curar alguém, uma única pessoa que poderia superar a pior das doenças e reverter o mais calamitante estado de saúde.
Nosso personagem se vê então em um dilema usar o presente de Jesus em si próprio e se livrar da doença que o jogou ali no meio daquela loucura, ou curar outra pessoa, um desconhecido, mas quem?

– Na verdade, você não pode curar ninguém, não sozinho, mas estarei do seu lado, e a pessoa por quem decidir orar, eu a curarei através de você. – Pág. 70

Durante essas batalhas ferrenhas e diálogos leves e calorosos a beira do fogo, Tony e jogado dentro de inúmeras pessoas, como o doce Cabby, a sofrida Molly, a destemida Maggie e bela Lindsay. Uma família atípica que luta contra os empecilhos em seus caminhos sem perder a fé.
Confesso que quando comecei a ler o livro me desanimei muito com William P. Young, inicialmente o livro é pesado, chato e a leitura segue arrastada. Levei três dias para ler cinquenta páginas, pois, qualquer desculpa era válida para abandonar a leitura.
Você acaba odiando Tony por ser tão estupido logo de início, mas depois de tantas repetições sobre o personagem você se vê apenas observando, seria a mesma coisa que assistir televisão no mudo.
Tony é detestável o que fez com a esposa e com a única filha é perverso, pra não dizer hediondo. E ainda há sua louca paranoia que o leva desconfiar de tudo se trancar em um quarto super protegido que nem mesmo ele pode burlar a segurança.
Porém após entrar em como, conhecer Jack, Jesus e Vovó a história começa a animar com a inserção dos outros personagens, o pastor e policial Clarence, a enfermeira Maggie, a mãe lutadora que é Molly, o jovem especial Cabby e a doente e triste Lindsay. Esses personagens são um caso à parte, sério não há como não se apaixonar por Maggie uma enfermeira solteirona que sonha com o belo e inteligente Clarence, que por sua vez é um policial dedicado e fiel a Deus. Há ainda o ingênuo e sensitivo Cabby um garoto portador de síndrome de Down que possui um coração de ouro e os mais belos olhos que alguém já descreveu.
Quando esses personagens são inseridos na história e Tony começa a acompanhar a princípio involuntariamente suas vidas tudo muda, melhora.
É alegria, comoção, revolta tudo junto em apenas quatro personagens.
E tudo isso provoca em Tony uma mudança sensacional que o leva a questionar seus princípios e todos os traumas que acumulou na vida.

– Tony – ela respondeu –, nunca conheci alguém que fosse completamente ruim. Em grande parte, sim, mas nunca completamente. Todo mundo já foi criança um dia, e isso me traz esperanças. As pessoas só podem dar aquilo que têm, e fazem as coisas por determinados motivos, mesmo que não tenham consciência de quais são. Às vezes é difícil descobrir, mas sempre existe um motivo. – Pág. 151

Com um final surpreendente, mas totalmente previsível o livro vale a pena ser lido, e merece sua atenção, não por abordar a fé em um deus bondoso e seu filho que sempre perdoa, mas sim por abordar isso de forma tão leve e fluida que você se esquece que se trata de uma ficção religiosa.
Sobre a diagramação, espaçamento e margens, devo dizer que me decepcionei um pouco com o livro. Na verdade o livro pé evidentemente uma versão econômica, com margens e espaçamento mínimos, algo que dificulta e muito a leitura, por muitas vezes me perdi no emaranhado de frases e tive que reiniciar a leitura as vezes de um parágrafo inteiro.
Os capítulos são curtos o que ajuda a se situar enquanto lê, e sempre são iniciados com frases e citações de nomes importantes como: C. S. Lewis, Abraham Lincoln e Mark Twain.
Recomendo a todos e termino dizendo: Talitha Cumi.

 Na Coluna Diversos, publiquei uma lista das minhas passagens favoritas do livro, se tiver curiosidade clique aqui
 

Relacionando

 Bom como sempre termino, citando uma música relacionada com a história, hoje por se tratar de uma ficção religiosa, escolhi uma música gospel.
Meu Universo do cantor PG ex-Oficina G3, lançada no álbum Eu Sou Livre em 2007, composição original Mi Universo do pastor cantor mexicano Jesús Adrían Romero.
Essa música retrata bem os sentimentos de Tony já bem ao final do livro quando reencontra a fé no Jesus que sua mãe lhe apresentou ainda criança.











0 comentários:

Postar um comentário

Sua opinião é sempre importante, por isso espero seu comentário!
Critique, de sugestões, elogie, comente.

Julielton Souza