23 de jun de 2015

Projeto BC: Literatura em Movimento – Tema de Junho

Eis que Junho chegou e com ele um novo tema para o Projeto BLC: Literatura em Movimento e um novo desafio. Como não poderia deixar de ser, o tema proposto para este mês, é algo bem romântico, tendo em vista o dia dos namorados, comemorado no dia 12 de junho.

A equipe organizadora propôs o seguinte tema:

junho (1)

E para responder a este desafio legendário, escolhi uma garota infinita. O mais belo exemplar feminino da literatura mundial, Sam de As Vantagens de Ser Invisível de Stephen Chbosky.

Sam é descrita nas epistolas de Charlie como uma aluna veterana, que possui um dedo podre para homens, e sempre escolhe os piores garotos para namorar.  Tem cabelos castanhos e belos olhos verdes. No livro Charlie se apaixona por ela, mas não tem coragem de se declarar.

Ao contrário do tímido e oprimido Charlie, não me foi dada a opção de amar em segredo, a timidez não me foi atribuída, e não tenho todo um livro para conquista-la, então de maneira rápida e furtiva, terei que “furar os olhos” do meu personagem favorito e roubar-lhe “a cara dura” sua paixonite adolescente.

Vamos a construção da minha resposta.


Um Encontro Nada Convencional

Sam caminha pelos verdes gramados do University Park, o velho prédio Old Main da Penn State (Universidade Estadual da Pensilvânia) fulgura ao fundo com sua gigantesca torre do relógio.

É quase noite, o cansaço daquela semana de provas bate forte como se porretes fossem em direção ao seu corpo franzino e tudo o que ela mais quer é se deitar e descansar por todo o fim de semana.

O que ela não sabe, é que mais adiante escondido entre as arvores, está aquele que a ama secretamente, o homem que acompanhou sua vida de longe, que viu suas expectativas se esvaindo a cada relacionamento mal sucedido e que agora finalmente a encontrou e pretende lhe demonstrar todo o amor que carrega no peito. Aquele homem apaixonado, sou eu.

Trago nas mãos um buque de tulipas lilases, o coração acelerado quase saindo pela boca, as mãos frias e um amargo fel nos lábios. Ela caminha vagarosamente, sentindo o frio que prenuncia a chegada do inverno. Eu não quero assusta-la.

Quando ela se aproxima a distância de poucos metros das arvores, saio de meu esconderijo, coloco meu melhor sorriso e lhe ofereço o buque que treme entre meus dedos, talvez seja o nervosismo, ou talvez seja o frio, torço para que ela não note, e quando dou um passo em sua direção ela para.

Vejo o medo em seus olhos verdes, os cabelos curtos presos atrás das orelhas movem-se lentamente a favor do vento. Me apresento rapidamente, declaro-me apaixonado, encantado e terrivelmente prisioneiro daquele sentimento.

O medo parece crescer, temo que ela pense que sou um tipo de tarado, um stalker, um maníaco...

Ela respira fundo, agradece as flores, diz que já tem namorado e começa a caminhar. Não penso duas vezes e me atiro aos seus pés, pronto para implorar sua atenção. “Quero apenas uma noite em sua companhia” digo a ela.

Sam parece constrangida diante de meu ato impensado, mas se mantem firme em sua posição, os braços cruzados diante o peito. Eu resolvo então a descer um pouco mais baixo, e seguro sua mão, olhando em seus olhos, sinto a sua hesitação e quase desisto de tudo. Mas, sigo em frente, conto-lhe minha história, minha origem brasileira, todos os caminhos que tive que tomar até chegar ali diante dela. Choro copiosamente pedindo sua atenção, ela hesita novamente.

Mas faço minha melhor cara de “gato de botas do Sherek” e percebo uma pontada de dúvida em seu semblante, beijo-lhe o dorso da mão e termino dizendo “Uma única noite, um jantar é tudo que lhe peço, se ao final desta noite não sentir nada por mim, prometo deixa-la para sempre”.

Por fim ela aceita meu convite, entrego-lhe o buque e pego-a pelo braço conduzindo-a entre as arvores em direção ao nosso jantar. Na E College Ave uma Mercedes preta nos aguarda, o chofer de nome Jeffrey abre a porta para a minha dama que se senta dignamente em seu estofado de couro branco.

Os vidros escuros impedem-na de ver nosso destino e mesmo assim Sam parece encantada, não há sinal de medo ou hesitação, ela parece gostar da aventura que propus, e em meu peito o coração bate acelerado novamente.

O carro para próximo ao Park Forest Village, vejo a dúvida nos olhos de Sam, imaginando-nos em um dos vários restaurantes de luxo, mas surpreendo-a novamente levando-a ao Otto’s Pub and Brewery, o prédio marrom exibe sua arquitetura única com a famosa caminhonete laranja parada ao lado. Sam suspira diante da escolha.

O local está fechado, reservado apenas para nós dois. O maitre nos conduz a nossa mesa. Imediatamente é servido a melhor cerveja do local, produção própria, nível de açúcar único. Sam suspira novamente admirada com a minha escolha e se surpreende com as entradas, quesadillas veganas.

Conversamos sobre nossas vidas, nossas aventuras românticas, a faço rir duas ou três vezes com alguma piada brasileira ridiculamente traduzida. Ela está encantada com o meu conhecimento sobre seu gosto. E parece finalmente se abrir para mim.

Depois de uma salada tailandesa comemos o melhor sanduiche de toffu que já comi. A noite começa a terminar, mas as surpresas ainda devem prosseguir, dou sinal ao maitre que faz surgir em um canto do salão uma banda de rock que começa a tocar suavemente a música Heroes de David Browie. A melodia a contagia, e eu a puxo para uma dança.

Embora a música não seja algo considerado lento, dançamos lentamente, um sentindo o outro entre seus braços, meu coração já não bate acelerado, minhas mãos não tremem e minha boca busca um gosto diferente do amargo inicial. Os lábios dela também indicam querer a mesma coisa, entendo os seus movimentos e me inclino em direção ao seu rosto.

Quando nos beijamos finalmente sinto que nossos sentimentos se unem em uma única coisa, ambos desejam um ao outro, a música está chegando ao fim, e lentamente vamos encerrando a dança mais linda que já dancei, quando o silencio domina o restaurante, aproximo meus lábios de seu ouvido e sussurro “Você me faz infinito”.

9aw8sd73fjol4dh2ga3r2lkyz

Ela sorri e sei que agora ela é minha, não existe Charlie, não existe ninguém além de mim em seu coração.


Então é isso pessoal, diferente da postagem do mês passado, a tônica irônica e engraçada foi colocada a escanteio e o romantismo inexistente neste que vos escreve teve que surgir do mais fundo do meu ser, um texto longo admito, mas acredito ter construído o que foi pedido, espero que gostem e não se esqueçam de comentar.

Xau Xau, Beijo Beijo e até o próximo mês com mais um tema do Literatura em Movimento.

http---signatures.mylivesignature.com-54492-348-8CDC41FCD38DF5750D599C05656C608C

18 comentários:

  1. Estou encantada com sua escrita e sua coragem! kkkk Confesso que estou um pouco nervosa em escrever meu post, e como a ideia é um pouco parecida com a sua você acabou me dando coragem para escrever o meu. Romantismo não é meu forte, e escrever é meu pior pesadelo, só consigo posts, contos e livros não rola! kk. Parabéns pelo post, ficou lindo e seu conto também ficou ótimo. Mil beijos :*
    entreumlivroe-outro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Prevejo uma nova votória para o dono dessa postagem...isso vai virar rotina, kkkk

    Adorei a postagem e principalmente sua coragem e criatividade...e digo mais, sua tremenda cara de pau em querer roubar a amada do nosso queridíssimo Charlie...pura sacanagem isso...kkkkk

    Assim como vc disse em minha postagem do mês anterior...nossos gostos literários são realmente muito parecidos, logo que divulgaram o tema pensei de cara nesse livro...afinal, eu adoro o Charlie.

    Estou super apreensiva com a ideia de se declarar para um personagem...estou com um bloqueio terrível, que Deus me ajude!

    Parabéns ;)

    Beijokas da Quel
    http://literaleitura2013.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. awn que bonitinho seu texto! eu to aqui procurando alguma inspiração para o meu mas nada que me "despertou" ainda, não sei mesmo escrever sobre o tema e nem ao menos sei qual personagem vou fazer jksahjkhsajkh
    tonsdeleitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Uau!
    Estou encantada com a riqueza de detalhes
    Eu não conseguiria escrever metade disso que você escreveu - aliás, eu só tinha pensado no personagem até agora, mas não consegui tempo para pensar/postar.
    O texto tá muito bom messsssmo, meus parabéns
    (e isso que você "não é romântico". Imagina se fosse? haha)

    Beijos,
    Duas Leitoras

    ResponderExcluir
  5. Que texto lindo, com tantos detalhes e romantismo!! Adorei... Pobre Charlie. Sinto que ele não perdeu uma batalha, mas a guerra!

    Beijos.
    Café com Livro

    ResponderExcluir
  6. A sua história ficou incrível!!!!
    Aproveitou bem a única oportunidade e gostei muito da sua escolha, a Sam merece alguém bom mesmo que o Charlie seja muito legal também (eu e minha mania de falar como se os personagens fossem totalmente reais).
    E a forma como você escreve é encantadora. Parabéns!!!

    http://blogquerida.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. *-* *-* *-* *-* *-* só uma coisa, amei! Quando você vai lançar algum livro? Estou esperando...

    Abraços e até!

    lendoferozmente.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  8. Rs, você escreve tão bem que é covardia competir com você!
    Parabéns pelo post, adorei a riqueza de detalhes!
    Beijos.

    www.historiamuda.com.br

    ResponderExcluir
  9. Eita Julielton!
    Arraasou, hein?
    O que o amor não faz?!...
    Adorei todo seu romantismo, da coragem em abordá-la, as flores, o restaurante e principalmente a música. Ammo David Bowie.
    Parabéns!
    “A amizade não se busca, não se sonha, não se deseja; ela exerce-se (é uma virtude).”(Simone Weil)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    Participe no nosso Top Comentarista!

    ResponderExcluir
  10. Você é mesmo muito romântico hein. o texto ficou perfeito, você precisa escrever um livro.
    Achei muito legal a escolha da personagem, Sam é realmente cativante. Heroes é perfeita, amoo essa música.
    Beijão

    ResponderExcluir
  11. olá bom dia !!
    sua historia ficou maravilhosa, aproveitou bem a oportunidade unica e fez um lindo programa a dois, bjoss

    ResponderExcluir
  12. Tulipas lilases!!!!
    Já tinha me ganhado aí! Ficou tão bacana...! Cheio de sentimentos, de carinho, o amor estalava no ar!
    Você tem um dom, cara! Vai fundo!
    Até + ver! Nu.
    As 1001 Nuccias | Curtiu?

    ResponderExcluir
  13. Ownnn, tenho de dizer, tulipas invadem minha mente... nao sou uma mulher de Rosas vermelhas.... e fechar o restaurante. ?.. e quem deixaria pra sempre um cara desses que saber fazer os olhinhos do gato de botas? Amazing! Ficou muito bom
    Amantes de Jane Austen

    ResponderExcluir
  14. Oi Julienton,
    Adorei a historia, ficou bem escrita *--*
    Parabéns, quando você lançar seu livro me avisa haha
    Beijos ♥

    Livros Para o Chá das CincoCurta!

    ResponderExcluir
  15. Olá... tudo bem???
    Nossaaaaa você também furou o olho de um personagem kkkkkkkk
    Adorei seu texto... completamente romântico e lindo... fiquei toda apaixonadinha aqui pela simplicidade do texto, mas ao mesmo tempo intenso de sentimentos... puro amor... que lindo... já não se fazem meninos assim... parabéns... adorei... Xero!!!

    http://minhasescriturasdih.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  16. Muito fofo, o teu texto! Parabéns pelo romantismo mostrado na história e pela escrita primorosa!

    Bjs da Cami
    http://mynerdbubble.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  17. Julieltooonn, amei o teu texto!
    Eu tb gosto muito desse livro e dessa personagem e acredito que tu realmente conquistarias a Sam assim. :)
    Beijo.
    Ana Karina

    ResponderExcluir
  18. Oi Julienton! Também gosto muito da Sam, uma personagem que ganha pela simplicidade, e carisma, logo não me surpreende que seja a escolhida! Ótima escolha, aliás. Parabéns pelo texto! Beijos.

    ResponderExcluir

Sua opinião é sempre importante, por isso espero seu comentário!
Critique, de sugestões, elogie, comente.

Julielton Souza