4 de dez de 2014

10 Coisas: 10 Mundos da Literatura


Não é de hoje que a literatura fantástica cria mundos totalmente novos para o cenário de ótimas aventuras. Alguns são reflexos desta terra como conhecemos, outros representam um futuro, talvez não tão distante, e outros porém são criações originais e únicas nunca visto antes.
Como admirador dos mundos fantásticos, trago hoje na coluna 10 Coisas, os dez mundos da literatura fantástica que costumam existir na mente de quase todos os leitores.
Lembro a vocês que a ordem dos dez mundos é uma perspectiva minha, e, talvez a colocação de um certo mundo não agrade a você, por isso, não deixe de comentar, critique se quiser, elogie, repudie qualquer coisa vale, contanto que esteja relacionado ao texto.
Então vamos lá.
Lembre-se clique na imagem se quiser vê-la maior.


10º Lugar: Panem (Jogos Vorazes de Suzanne Collins)

Embora não seja um mundo em si, Panem ainda é um lugar fantástico resultado de um apocalipse desconhecido, o pouco que se sabe sobre o ambiente onde ocorrem os eventos da famosa trilogia Jogos Vorazes, é que após uma catástrofe, inúmeras mudanças ocorreram no mapa-múndi.
Os continentes como conhecemos foram remodelados, sendo o aumento do nível do mar uma das causas conhecidas. A atmosfera foi completamente destruída, e muito dos recursos naturais existentes atualmente desapareceram. Como essas mudanças ocorreram ainda é uma grande incógnita, e talvez impossíveis de se descobrir.
O que se sabe é que aproximadamente a 75 anos antes do início da trilogia Jogos Vorazes, uma espécie de governo foi estabelecido na América do Norte (incluindo EUA, Canadá, México e Alasca), e nomeada como Panem.
Panem origina-se na frase em latim “Panem et Circus” a famosa política do pão e circo adotada em Roma, onde o império cedia ao povo o básico da alimentação e compensava sua negligencia em outros setores oferecendo eventos circenses, como a luta com animais, corridas de bigas e o principal os jogos gladiatórios, tudo isso para desviar a atenção do povo dos altos impostos e dos excessivos gastos públicos com a elite.
Essa influência é evidente na trilogia, se tornando a carta de apresentação do presidente Snow o líder político de Panem.
Panem se tornou um gigante país sendo separado em treze distritos, sendo cada um responsável pela produção de bens e um setor especifico que atendesse as necessidades da nação, tendo como centro operacional e político a Capital.
As especialidades de cada distrito de Panem são:
Distrito 1 – Luxo;
Distrito 7 – Madeira;
Distrito 2 – Alvenaria;
Distrito 8 – Têxtil;
Distrito 3 – Tecnologia;
Distrito 9 – Grãos;
Distrito 4 – Pescaria;
Distrito 10 – Pecuária;
Distrito 5 – Energia;
Distrito 11 – Agricultura;
Distrito 6 – Transportes;
Distrito 12 – Mineração.

Em sua história o contentamento populacional não foi sempre uma constante, em determinado momento uma revolta se instaurou, resultando na derrota de doze dos treze distritos, sendo o último removido da nação.

 9º Lugar – Lilliput e Blefuscu (As Viagens de Gulliver de Jonathan Swift)

A mais famosa sátira as contendas entre França e Inglaterra no início do Século XVIII, são as ilhas de Blefuscu e Lilliput, duas ilhas inimigas e bem parecidas entre si localizadas no Oceano índico.

As ilhas são o cenário para as mais famosas viagens já narradas, são os lugares onde Gulliver acaba chegando após sofrer um naufrágio, embora ele tenha passado por outras três ilhas (Brobdingnag – terra dos gigantes; Ilha Flutuante de Laputa – terra dos cientistas alienados e Houyhnhm – terra dos cavalos inteligentes) bem distintas, acredito que Lilliput e Blefuscu são o ápice da viagem pois, não somente são criadas para criticar dois países existentes na época como também são as mais interessantes da história.
Lilliput é habitada por pessoas minúsculas (15 centímetros) chamados de lilliputeanos, esse povo são traiçoeiros e covardes e tomam Gulliver como um gigante chegando a aprisiona-lo.
Blefescu embora também habitada por seres minúsculos se difere de sua vizinha por possuir um povo gentil e hospitaleiro, esses receberam Gulliver como um dos seus, transformando-o em um herói.
Como disse anteriormente Swift criou essas terras para representar os países Inglaterra e França, sendo respectivamente Lilliput e Blefuscu, detestando os rumos que seu pais tomava, Swift a descreveu como terra de um povo arcaico e malévolo enquanto o outro sendo a terra da luz, da transformação e do conhecimento.

8º Lugar – Avalon (As Brumas de Avalon de Marion Zimmer Bradley)

Mapa avalon by kemixdesign on deviantAR:
Embora presente em diversas narrativas a ilha mística de Avalon sofre mudanças de uma história para outra, tomando aspectos totalmente inovadores ou retrocedendo a exemplos arcaicos e romancistas.
Originalmente Avalon seria uma ilha lendária presente nas narrativas arturianas, e que possuía campos de macieiras famosas por toda a Inglaterra.
Em algumas vertentes da história Avalon é a ilha onde a espada Excalibur foi forjada e onde o próprio Artur vai para se recuperar após a luta mortal com o filho bastardo Mordred.
Nos livros As Brumas de Avalon, a ilha fica fora da nossa realidade protegida pelas brumas e pela magia proveniente da Grande Deusa, em outras Avalon se localiza ao sul da Bretanha atual Inglaterra e em algumas localizava-se na atual Glastonbury, cidade inglesa ao sul de Bristol.
Avalon era conhecida como o País do Verão, pois segundo as lendas jamais era afetada pelo frio do inverno os as chuvas torrenciais do outono. Porém a maioria das lendas a descreve como uma ilha mágica, descrita como uma ilha fluvial, ou seja, cercada por um lago enorme, muitas lendas descrevem esse lago como um portal para o reino mágico de Avalon, esse reino seria governado por Merlim em algumas vertentes, e/ou por uma Sacerdotisa do Lago.
Avalon seria uma terra magica paralela ao território inglês, tendo passagens para lugares icônicos como o Stonehenge e costa sul da ilha britânica.

 7º Lugar – País das Maravilhas (Alice no País das Maravilhas de Lewis Carrol)

O País das Maravilhas é um dos mundos fantásticos mais completos e conhecidos já existentes, é praticamente impossível não conhecer alguém que não saiba como chegar a esse lugar mágico: siga o coelho branco, desça em sua toca, beba da garrafa e atravessa a portinha.

Mesmo sendo um dos mundos mais legais já existentes, muitos optam por acreditar na teoria do sonho psicodélico, onde tudo não passaria de alucinações de uma garota como o próprio livro tenta fazer crer, porém, na minha opinião a história é tão real como Hogwarts.
O País das Maravilhas é dominado por criaturas fantásticas, animais falantes, objetos animados, jardins de rosas, campo de críquete e praias de lagos de lagrimas.
Não é difícil caracterizar esse mundo como uma ficção infantil, porém, para muitos estudiosos, o famoso conto, possui duas histórias emaranhadas, uma infantil e outra voltada para o público adulto, por essa razão alguns pontos da terra parecem imaginativas demais, porém é justamente as características nonsense que faz O País das Maravilhas possível para crianças e adultos.

6º Lugar – Terra Média (Série O Senhor dos Anéis de J. R. R. Tolkien)

Embora tenha dito que alguns dos mundos criados sejam completos, nenhum se compara a Terra Média, o mundo criado por Tolkien não somente possui uma geografia complexa, como também apresenta fatos históricos, idiomas e climas específicos que coloca esse mundo tão real como o nosso.
Muitos acreditam que a Terra Média seja um mundo diferente ao nosso, porém Tolkien afirma que na verdade seria a nossa própria terra a milhares de anos antes da nossa era, e seria onde localiza-se a Eurásia e a África, por essa razão é chamada de Endor na língua élfica o que significa basicamente terra do meio.

A Terra Média é habitada por diversas criaturas, como os Ainur (seres angélicos), os Maiar (ainur inferiores), os Istari (magos), os balrogs (maiar maléficos), os elfos, os homens, os anões, os hobits, os orcs, os trols, os ents (pastores de arvores) e os animais sábios (cães, águias).
Além destas criaturas que são abordadas de forma clara, há menções a outros seres, como os beornings, seres humanos com poderes transmorficos (troca-peles, lobisomens, homens-dragões, e outras espécies).
Falar sobre a Terra Média é complicado devido a tantas vertentes e diferenciações, por essa razão não me aprofundarei no assunto, já que ainda não li todas as obras do autor.

5º Lugar – Terra do Nunca (Peter Pan de J. M. Barrie)

A Terra do Nunca é uma ilha mágica adotada como morada por um garoto que não queria crescer. Peter Pan chegou a Terra do Nunca após seguir a segunda estrela à direita e então seguir direto, até o amanhecer.

A magia que existe em Neverland, permite que as crianças nunca envelheçam e ali tudo é permitido, incluindo voar.
Considerados por muitos como o mundo mais simples já criado, a Terra do Nunca sempre foi um mistério, pois conhecemos o pouco que Barrie descreveu em seu livro, e por isso apenas conhecemos como seus habitantes, os meninos perdidos, as sereias, as fadas, os piratas, os animais gigantes como o crocodilo que come a mão do Capitão Gancho e os índios.
Entre os diversos cenários da ilha mágica destaca-se o acampamento de índios norte-americanos, a arvore gigante lar dos garotos perdidos, as nuvens solidas que levam ao reino das fadas, a lagoa da sereias e a ilha da caveira. Ainda há o famoso navio pirata Jolly Roger.

4º Lugar – Hogwarts (Série Harry Potter de J. K. Rowling)

Hogwarts não é bem um mundo e sim um lugar especifico protegido por magia e localizado no Reino Unido, fundada a mais de mil anos pelos quatro bruxos mais poderosos do mundo, Godric Gryffindor, Salazar Slytherin, Rowena Ravenclaw e Helga Hufflepuff.
A gigantesca escola de magia e bruxaria na verdade é um grande castelo medieval, dividido em quatro casas que trazem o nome de um dos fundadores, na referida escola os alunos são separados de acordo com seus valores e habilidades e habitam a casa que adota tal valor.
Gryffindor: Coragem e Lealdade;
Ravenclaw: Inteligência e Perspicácia;
Hufflepuff: Lealdade e Sinceridade;
Slytherin: Perseverança e Ambição.
Para se chegar a Hogwarts, é preciso viajar no Expresso de Hogwarts que sai às 11 da manhã da Plataforma 9 ¾ localizada na estação de trens de Kings Cross.
Hogwarts não se limita a escola, pois possui ainda nos arredores do castelo A Floresta Proibida, o vilarejo de Hogsmeade, a aldeia de Godric’s Hollow, e o Beco Diagonal.
Dentro da Escola de Magia e Bruxaria existem lugares específicos, como a Cabana de Hagrid, o campo de Quadribol, o Salgueiro Lutador, o picadeiro dos hipogrifos, as estufas de herbologia, o campo de voo, o círculo de pedra, a ponte coberta, as masmorras, salas escondidas, o saguão, as salas comunais, a câmara secreta, os pátios e os salões de duelos.
A escola possui sete andares distintos, onde há salas de aula, salas proibidas, bibliotecas, banheiros, salas de estudo, salões comunais, gabinete do diretor, salas magicas, torres e salas de professores.

3º Lugar – O País de Oz (O Mágico de Oz de L. Frank Baum)

A Terra de Oz é o lugar onde Dorothy chega após ser carregada por um tornado no Kansas, uma terra magica dívida em quatro países e uma capital. Os quatro países localizam-se nos quatro cantos cardeais, a leste fica o país dos Munchkins, a oeste a terra dos Winkies, ao norte o país do Gillikins e ao sul o Pais dos Quadlings.
No centro de tudo fica a majestosa Cidade das Esmeraldas, a qual é possível chegar seguindo estradas de tijolos amarelos. Em torno do País de Oz, áreas desérticas cobertas de areais escaldantes impedem que a população deixe suas terras, ainda em Oz é possível chegar a lugares estranhos e com povos que se consideram independentes, como a floresta das arvores lutadoras, o morro dos Cabeça de Martelo, a Cidade de Porcelana e o Campo das Papoulas.
Porém ainda são apresentados em obras posteriores, outros países vizinhos a Oz, como o Reino de Ev, o País dos Nomos, o Reino dos Vegetais, A terra de Voe, o Reino de Ix, o Mundo dos Gárgulas, a Nãolândia, a Bobolândia, o Oceano Nonéstico. O que importa é que o mundo onde Oz é apenas uma ilha continental é enorme e ainda possui lugares a se conhecer.
A característica mais relevante de Oz é a presença de magia, seres híbridos, como os macacos alados, o urso-tigre e as bruxas boas e más.

2º Lugar – Westeros (As Crônicas de Gelo e Fogo de George R. R. Martin)

Westeros é um continente existente em um mundo ainda em expansão, atualmente é dividido em Sete Reinos e possui áreas não mapeadas ao Norte, separadas do reino pela gigantesca Muralha de Gelo reduto da Patrulha da Noite.
No entanto as terras do Sul são bem conhecidas, e se dividem nos sete reinos e sete grandes casas, são eles:
Reino do Norte – Casa Stark;
Reino das Ilhas de Ferro – Casa Greyjoy;
Reino do Vale – Casa Arryn;
Reino do Rochedo – Casa Lannister;
Reino das Terras da Tempestade – Casa Baratheon;
Reino da Campina – Casa Tyrell;
Reino de Dorne – Casa Martell.
Os Sete Reinos vivem em pé de guerra pelo Trono de Ferro, o qual dá ao seu dono o título de rei de Westeros, anteriormente o trono pertencia a Casa Targaryen que haviam unificado Westeros, porém Robert Baratheon e aliados tomaram o poder e usurparam a coroa, após a morte de Robert, os sete reinos entram em conflito pelo trono.
O maior destaque de Westeros são as estações do ano, que possuem durações imprevisíveis, onde os verões e invernos podem durar muitos anos, diferente da maioria dos mundos mágicos, Westeros não possuem muitos seres mágicos, além dos Outros, seres maléficos que habitam além da muralha, há os auroques touros enormes, os direwlves logos do tamanho de pôneis, os ravens os corvos mensageiros e os dragões, embora existam apenas três.
Porém existem feiticeiras vindas de outros continentes, e outros praticantes de magia.
Além de Westeros existe o continente de Essos um continente com diversas raças e culturas.

1º Lugar – Nárnia (As Crônicas de Nárnia – C. S. Lewis)

O mundo mais fantástico e perfeito já criado é Nárnia, embora também não seja um mundo inteiro e sim apenas um país, localizado em um multiverso mágico e paralelo ao nosso.
Nárnia não é um mundo redondo como o nosso, é plano e geocêntrico, os oceanos separam Nárnia do fim do mundo e são ligados com o céu.
Em Nárnia há criaturas fantásticas como animais falantes, criaturas mitológicas (faunos, centauros), divindades, feiticeiras, anões, os terrícolas (habitantes do mundo inferior), os paulamas (habitantes dos pântanos), o papão Noel e o pai tempo.
Este mundo foi criado por Aslam um leão gigante que seria filho do Rei do Mundo, para se chegar a este país é necessário usar anéis mágicos construídos a partir de terra e areia tiradas de outro mundo magico, ou através de objetos ligados a Nárnia, como o guarda-roupa ou o quadro na casa de Eustáquio ou ainda quando chamado por Aslam.
Nárnia é vizinha de outros países como Arquelândia, Calormânia, Ilhas Solitárias, A Ilha dos Dragões, A Ilha das Vozes, A Ilha Negra, Telmar, O País de Aslam, O Fim do Mundo, o Mar Derradeiro e outros lugares não nominados.
Em Nárnia há ainda redutos mágicos como o Reino Profundo, O Ermo do Lampião, a Charneca de Ettin, os Campos Agrestes do Norte, os Campos Ocidentais e o Grande Deserto.
Nárnia é um mundo que possui um tempo cronológico diferente do nosso, ali dias, meses, anos e séculos são diferentes do nosso, anos passados ali podem significar segundos no nosso.
De certa forma, é o mundo mais complexo de todos, pois, embora exista nos outros mundos deuses e divindades, Nárnia é o único mundo onde o deus pode interferir drasticamente na história.

Menção Honrosa – Asteroide B612 (O Pequeno Príncipe de Antoine de Saint-Exupéry)

Há um pequeno, na verdade minúsculo mundo que merece ser reconhecido pela sua magnitude na literatura, refiro-me ao Asteroide B612, lar do príncipe mais famoso do mundo, chamado apenas de Pequeno Príncipe.
O Asteroide onde mora nosso protagonista, é descrito como um pequeno globo de terra situado em um cinturão de asteroides, o qual foi visto apenas uma vez por um astrônomo turco em 1909.
O lar do Pequeno Príncipe é tão pequeno que possui além dele, uma rosa falante, três vulcões, sendo um deles extinto e as vezes uma muda de baobá que teima em crescer, o livro ainda menciona que no asteroide é possível assistir quarenta e três pôr-do-sol, e, é necessário que revolva os vulcões constantemente para que não entrarem em erupção e destruírem o asteroide.
Porque dar uma menção honrosa a algo tão simples? Simples, o Asteroide B612 é um mundo de verdade, algo existente fora do nosso planeta, algo quase impossível de se ter vida, e mesmo assim é lar de uma criança, e porque é o mundo mais encantador que existe, não há como não se perguntar como seria morar em um lugar tão deserto e tão pequeno, e como seria ter por companhia apenas uma rosa.


Então é isso pessoal, espero que tenham gostado e por favor, não esqueça de comentar.


1 comentários:

  1. Ahhh adorei o post, acho que queria visitar todos estes lugares, mas na realidade já visitei né?! Só leitor sabe como <3

    Beijos Joi Cardoso
    Estante Diagonal

    ResponderExcluir

Sua opinião é sempre importante, por isso espero seu comentário!
Critique, de sugestões, elogie, comente.

Julielton Souza